"Só no Guia de Serviços VIVAcidade você tem os serviços nas proximidades dos principais pontos de referência visual da cidade - Equipe VIVAcidade"                          "Pratique saúde, faça caminhada diariamente - VivaCidade Serviços"                          "VIVAcidade - muito mais que opinião"                          "VIVAcidade - o mundo todo acessa a cidade"                          
» Ver outros textos sobre a cidade Ajuda ? 
Pesquisar no VIVAcidade
 
Clique aqui para ver mais uma imagem de Sorocaba >>>>>
 
 
Hospedagem em Sorocaba
 

Página Inicial

GUIA VISUAL DA CIDADE

 

» Regiões
» Vias
» Pontos
» Pontos wi-fi
» Bairros
» Radares
» Mapas
» Google Mapas
» Vídeos

GUIA COMÉRCIO SERVIÇOS

 

» Públicos
» Particulares
» 3º Setor
» Mapas

CLASSIFICADOS

 

» Imóveis

SOBRE A CIDADE

 

» Textos e Notícias
» Agenda de Eventos
» Fórum de Debates
» Cinema
» Áudios-Vídeos
» Livros
» Telefones Úteis
» Estatísticas
» Desenvolvimento
» Invista na Cidade
» Dados Históricos
» Região Administrativa
» In English

OUTRAS FERRAMENTAS

 

» Notícias 24 horas
» Rádio on line
» Busca no Site
» Busca CEP
» Dólar e Economia
» Previsão do Tempo
» Calendário

VIVACIDADE SITE-EMPRESA
 

» Quem Somos
» Propósitos
» Conceitos
» Perguntas - Usuários
» Perguntas - Anunciantes
» Fale Conosco
» Orkut
» Twitter
» Facebook
» Linkedin
» YouTube
» Depto. Comercial
» Depto. Jurídico

 
Campanhas de Cidadania
Comitê da Ficha Limpa em Sorocaba
 
Campanha Ficha Limpa
 
Consulte antes de votar
 
 
Saiba Mais
 
Abaixo Assinado Eletrônico

 

OAB-SP - Abaixo Assinado Eletrônico
 
22.05.2012. Artigo: Tropeirismo em Sorocaba

 (*) Sílvio Vieira de Andrade Filho

Sorocaba - A partir do século 18, muitas pessoas de Sorocaba e adjacências se tornaram tropeiros. Pelo caminho das tropas, iam ao sul do Brasil comprar eqüinos que eram revendidos na feira de muares de Sorocaba, muito conhecida em todo o país. Muitos chegaram a morar em localidades no sul do Brasil, exercendo a referida atividade. Muitos ficaram definitivamente no sul. Muitos retornaram a Sorocaba e região. Por outro lado, muitos do sul do Brasil vieram para Sorocaba e região como tropeiros. Muitos se fixaram na região de Sorocaba e muitos retornaram ao sul.

Na época, quando o mapa da rota Sorocaba e região para o sul do Brasil e vice-versa ainda não estava pulverizado de pontos urbanos, houve também muita movimentação de pessoas pelo caminho das tropas que não se dedicavam à vida tropeirística, mas que desejavam rever a família, resolver negócios, etc. Para homenagear os tropeiros, existe em Sorocaba o Monumento aos Tropeiros. O governo municipal está instalado no Palácio dos Tropeiros. O tropeirismo decaiu em fins do século 19 quando começaram a surgir em Sorocaba as primeiras indústrias têxteis com o desenvolvimento da lavoura de algodão.

O português Simão Barbosa Franco casou-se primeiramente em 1737 em Curitiba onde viveu. Em 1766, ele é dono de fazenda nos campos de Lages. A Vila de Lages ainda não estava fundada. Em fins de 1766, chegou aos ditos campos o grupo comandado pelo paulista Cap. Antônio Correia Pinto de Macedo para providenciar a fundação da Vila de Lages. Em 1768, Simão é diretor da fundação oficial da Vila de Itapetininga. Em 1769, ele se casa em segundas núpcias em Itu quando declara ser dos campos de Lages. Em 1769, ele obtém em agosto licença para ir aos referidos campos e em dezembro manda buscar animais no mesmo local. No começo de 1770, ele impede o tropeiro João da Costa de invernar a sua tropa num certo local de Itapetininga. Em 05.11.1770, ocorreu a fundação de Itapetininga e Simão é um dos fundadores. Em 1772, Simão vai definitivamente para a Vila de Lages, importante centro tropeirístico fundado em 1771.

Num documento de 1772 arquivado no Fórum Velho de Itapetininga referente a 28 potros, há uma carta precatória de 1770 da Vila de Santana do Parnaíba em que a inventariante Ana Francisca Lima afirma que o seu marido Luís da Silva Figueiró ia a negócios a São Pedro do Sul. Ele faleceu no Rio Grande do Sul.

Em 1774, o tropeiro Antônio José Domingues veio de Viamão com a sua tropa constituída de 525 bestas que deixou invernando primeiramente nos campos de Capivari. Como os referidos campos não estavam mais servindo, o dito tropeiro transferiu a tropa para um segundo local. Salvador de Oliveira Leme (inspetor e administrador de Itapetininga) mandou expulsar a tropa deste segundo local, o que provocou reclamação por parte de Domingues.

Em 1779, Salvador de Oliveira Leme entra com requerimento na Vila de Itapetininga contra Paulo Leite de Moraes que faleceu devendo à Fazenda Real certo valor referente a uma tropa proveniente do Rio Grande do Sul.

Em 1780, segundo um documento arquivado no referido fórum de Itapetininga, o Capitão-mor Salvador de Oliveira Leme entra com um requerimento na Vila de Nossa Senhora dos Prazeres de Itapetininga contra o devedor Alexandre de Gusmão, tropeiro do Rio Grande do Sul. Gusmão está em lugar desconhecido e deixou sua tropa em poder de Bernardino Alves da Silva na paragem denominada Capão Alto.

Devido a atividades ligadas ao tropeirismo na região, foi erguida a Capela da Fazendinha (atual Sarapuí).

O Tenente Francisco de Paula Penteado esteve também no sul do Brasil. Ele faleceu em 1833 em Sorocaba. No testamento de 1833, ele manifesta o desejo de que haja a liquidação do negócio de "tropas de bestas" com o seu irmão Cap. Antônio de Almeida Leite Penteado. Num trecho, o Ten. Francisco fala de seu retorno a casa proveniente dos Campos Gerais de Curitiba com animas que lá adquiriu. Os filhos do Ten. Francisco de Paula Penteado estiveram também em Lages, com aprovação paterna, de onde retornaram posteriormente.

Em 04.02.1837, a Câmara Municipal de Itapetininga emite declaração em que consta Américo Antônio Aires ser possuidor de três extensas fazendas com terras, campos e matos. Os campos servem unicamente de invernada e são arrendados por tropeiros.

Esteve também em Lages o Cap. Antônio de Almeida Leite Penteado. Retornou do sul em 1838 aproximadamente para morar em Itapetininga onde tinha um negócio de bestas com o seu sobrinho que sempre ia ao sul. O padre que possuía o mesmo nome do capitão seu pai foi também para o sul e na povoação de Soledade (atual Rio Grande do Sul) fez em 1847 o casamento de José (nascido em Itapetininga em 1822) que afirma ser filho do capitão. O capitão, porém, não o reconhece como seu filho e nem no documento de batismo consta o nome do capitão como pai. José permaneceu no sul.

Em seu testamento de 1840, o proprietário de terras Américo Antônio Aires, residente em Sorocaba, menciona um filho fora do casamento de nome Antônio. Américo orientou-o a ir ao sul do Brasil e deu-lhe 800 mil réis e um escravo. Quando já estava com muitos bens, Antônio começou a mandar-lhe cartas desrespeitosas do sul. Posteriormente, enviou-lhe de volta o escravo e o dinheiro.

Em 1841, Salvador de Oliveira Aires II (Ana Vieira Aires) moveu ação, encontrada no Arquivo do Fórum de Itapetininga, contra João José de Deus, afirmando que este invadiu os seus campos que estavam sendo arrendados e nestes fez queimadas e roças, atrapalhando bastante as tropas que aí se encontravam invernando.

No inventário do casal Pedro de Almeida Lara-Josefa Leite de Godói de 1843, dos nove herdeiros, só quatro se encontravam morando na região. Os demais estavam morando no sul do Brasil. Dos que estavam no sul, retornaram posteriormente Manoel de Almeida Leite e João de Almeida Leite. Há procuração dos que ficaram no sul datada de 1846 e 1847 proveniente do Rincão de São Pedro ou São Pedro do Sul que tinha grande importância tropeirística.

Numa ação judicial de 1857, consta que o acusado Francisco Pereira de Barros deixou a família na Areia Branca (atual bairro do município paulista de Guareí) e foi para o sul do Brasil. Numa estância de Missões, deixou 50 bestas, tendo seguido o seu caminho com uma carga de fumo para vender sem nunca mais procurar os animais. Tendo recebido de Missões uma carta do acusado, Mariano Xavier da Costa foi à Província do Sul e perguntou por ele a diversas pessoas dentre as quais alguns castelhanos.

Em 1866, Francisco Caetano de Oliveira e sua mulher Ana Rodrigues de Sousa, através de procuração de 1864 elaborada na cidade de Lages, Província de Santa Catarina, vendem para Manuel Maria Xavier de Araújo um sítio na Barra (Sorocaba).

Em 24.09.1881 na Matriz de Sorocaba, ocorreu o casamento do viúvo Manuel Amaro Gonçalves com Maria Francisca de Almeida, filha de José Maria Pedroso com Francisca Maria de Almeida, natural de Lages.

Juquinha Leme (José Moreira de Campos) estava com 20 anos no inventário de 1897 de seu pai Francisco Leme de Campos. Juquinha Leme foi proprietário de um sítio no Guaxinduva (atual município de Salto de Pirapora, SP) e, como tropeiro, costumava ir ao Rio Grande do Sul comprar muares para serem revendidos aos fazendeiros de Sorocaba e região. A sua vida de tropeiro teve início em sua mocidade e durou mais ou menos 20 anos. Ele e os seus peões iam de trem até Campos Novos numa viagem de quinze dias. A volta a Sorocaba só ocorria depois de seis meses. No percurso, os animais adquiridos tinham que atravessar pequenos rios a nado. Na travessia, só as orelhas dos animais podiam ser vistas à flor da água.

Em 1899, José Antunes de Sousa Branco e sua mulher Dona Gabriela de Oliveira Rosa, residentes na Barra (Sorocaba), preparam o seu testamento em que é citada a mãe de Gabriela como residente em Carazinho, RS. Em 1912, falece Gabriela, natural do Rio Grande do Sul, tendo sido sepultada no cemitério do centro de Salto de Pirapora, SP.

No inventário do Tenente-coronel Manuel Joaquim de Andrade, morador de Guareí, SP, iniciado em 1903, consta o nome de uma de suas filhas Maria Teresa da Costa, viúva e residente em Cruz Alta, RS. Ela se casou em Tatuí, SP, com Mariano Xavier da Costa em 1854.

Morador de Salto de Pirapora, SP, Manuel Moreira Farrapo (1927-2008) afirma ter ouvido dos antigos que a família Farrapo de Salto de Pirapora teve início com um tropeiro gaúcho que costumava sair do Rio Grande do Sul com a sua tropa em direção a São Paulo. No percurso, ele ia domando e vendendo os seus burros. Como tivesse roubado uma mulher em sua terra natal e temendo represálias, resolveu fixar-se na região, abandonando as atividades tropeirísticas. Flávio de Oliveira Ramos (1936-2000) afirma que um tropeiro, proprietário de extensas terras na região, estava voltando do Rio Grande do Sul com a sua tropa quando encontrou um moço todo esfarrapado numa estrada. Todos os membros da comitiva conversaram com ele. Excelente peão, foi logo incorporado à comitiva, passando a ser chamado de Francisco Moreira Farrapo. O tropeiro que o acolheu passou a considerá-lo um herdeiro.

O título original deste artigo é "A rota Sorocaba e região para o sul e vice-versa: tropeirismo, movimentações e migrações".

Bibliografia

ANDRADE FILHO, Sílvio V. de

(2000) Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus Arredores (obra resultante de tese de Doutorado na USP), Secretaria da Educação e Cultura de Sorocaba, Editora e Gráfica Paratodos, Sorocaba

(28.08.2001) Um caso de amor no século 19. Trata da vida do Capitão Antônio de Almeida Leite Penteado. Em A Tribuna de Sorocaba, Sorocaba

(2004) Guareí, Prefeitura e Câmara Municipal de Guareí, Gráfica Manchester, Sorocaba

(14.05.2005) História revela pontos em comum entre Itapetininga e Lages. Em Jornal Nossa Terra, Itapetininga

(2006) Itapetininga, Gráfica Manchester, Sorocaba

(2009) Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus Arredores, 2a. edição ampliada, RR Donnelley, São Paulo

(*) Sílvio Vieira de Andrade Filho (vieira.sor@terra.com.br) é pesquisador, lingüista, historiador e doutor pela USP. Possui na internet os seguintes sites:
http://www.cafundo.site.br.com
http://inforum.insite.com.br/8400

VIVAcidade - Copyright © 2004-2016 - Todos os direitos reservados | Aviso Legal
VIVACIDADE INTERNET E COMUNICAÇÃO LTDA.
Fale com o VIVAcidade: Clique Aqui

 

 

VIVAcidade Sorocaba
Tipo: Comunicação
Região: Além Linha-Trujillo
Local: Rua Ângelo Elias, 689
Ver mais no Guia VC

Leia Mais
Saiba Mais
Fórum de Debates
 
sociais.com
Conheça Votorantim

Galeria de Mapas
Comércio e Serviços
Rodovias de Acesso
Ruas e Avenidas
Regiões da Cidade
Região Central