"Consulte os inéditos Mapas de Comércio e Serviços VIVAcidade cujas vias estão linkadas com suas respectivas listas - Equipe VIVAcidade"                          "VIVAcidade - o ponto com ponto br da sua cidade"                          "VIVAcidade - cidadania 24 horas por dia"                          "VIVAcidade - o seu mundo é a cidade"                          
» Ver outros textos sobre a cidade Ajuda ? 
Pesquisar no VIVAcidade
 
Clique aqui para ver mais uma imagem de Sorocaba >>>>>
 
 
Hospedagem em Sorocaba
 

Página Inicial

GUIA VISUAL DA CIDADE

 

» Regiões
» Vias
» Pontos
» Pontos wi-fi
» Bairros
» Radares
» Mapas
» Google Mapas
» Vídeos

GUIA COMÉRCIO SERVIÇOS

 

» Públicos
» Particulares
» 3º Setor
» Mapas

CLASSIFICADOS

 

» Imóveis

SOBRE A CIDADE

 

» Textos e Notícias
» Agenda de Eventos
» Fórum de Debates
» Cinema
» Áudios-Vídeos
» Livros
» Telefones Úteis
» Estatísticas
» Desenvolvimento
» Invista na Cidade
» Dados Históricos
» Região Administrativa
» In English

OUTRAS FERRAMENTAS

 

» Notícias 24 horas
» Rádio on line
» Busca no Site
» Busca CEP
» Dólar e Economia
» Previsão do Tempo
» Calendário

VIVACIDADE SITE-EMPRESA
 

» Quem Somos
» Propósitos
» Conceitos
» Perguntas - Usuários
» Perguntas - Anunciantes
» Fale Conosco
» Orkut
» Twitter
» Facebook
» Linkedin
» YouTube
» Depto. Comercial
» Depto. Jurídico

 
Campanhas de Cidadania
Comitê da Ficha Limpa em Sorocaba
 
Campanha Ficha Limpa
 
Consulte antes de votar
 
 
Saiba Mais
 
Abaixo Assinado Eletrônico

 

OAB-SP - Abaixo Assinado Eletrônico
 
04.04.2010. Olimpíadas de 2016 parece o Pan de 2007

 (*) Agência de Notícias

Quando a candidatura do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Pan-Americanos de 2007 foi enviada ao Comitê Olímpico Internacional (COI), em 2001, o custo total inicialmente previsto para o evento era de R$ 390 milhões. Dois anos após os jogos, quando finalmente foram tornados públicos os dados relativos a sua organização, descobriu-se um custo final de R$ 3,5 bilhões, confirmando as denúncias feitas por organizações não-governamentais de que o megaevento teria custado dez vezes mais do que aquilo que fora “vendido” para a sociedade. Com a intensa movimentação já iniciada em relação às Olimpíadas de 2016, representantes da sociedade civil temem que se repita a história do Pan.

Presente ao Fórum Social Urbano na quarta-feira (24/3), Nelma Gusmão de Oliveira, integrante do Comitê Social do Pan, apontou semelhanças entre o que ocorreu até 2007 e o que está ocorrendo agora: “Ao tomar conhecimento do projeto para 2016, a sensação é de já ter visto esse filme. Apesar do discurso ‘aprendemos com os erros do Pan e não os repetiremos’ a coisa está encaminhada para se repetir. Basta consultar o dossiê do Pan e o projeto para 2016 para perceber”, disse.

As semelhanças, segundo Nelma, começam na concepção do projeto físico-espacial dos eventos: “Não há diferença de conceito de evento ou de compreensão da cidade nos dois projetos. O das Olimpíadas prevê quatro clusteres concentrados exatamente nos mesmos pontos que o Pan. Essa é uma visão pontual e fragmentada da cidade, sem pensar em interagir com a população. Em nenhum momento esse projeto prevê a integração da cidade como um todo”.

A principal diferença entre os dois projetos, segundo Nelma, é que, “no caso de 2016, estão previstos gastos infinitamente maiores do que no Pan”. Ela lembrou que o custo inicial previsto para os jogos de 2016 é de R$ 28,8 bilhões e citou como exemplos de novidades em relação ao Pan o projeto de revitalização da zona portuária e a implantação do BRT (Bus Rapid Transport, na sigla em inglês): “Outros projetos já tiveram acréscimo de orçamento. É o caso, por exemplo, da construção da Linha 4 do Metrô para ligar Ipanema à Barra da Tijuca”.

Outra semelhança entre o Pan 2007 e as Olimpíadas 2016 aparece no caso das empresas beneficiadas nos dois projetos: “Os estudos de viabilidade econômica e de consultoria em 2007 foram encomendados à Fundação Getúlio Vargas, à Price WaterhouseCoopers e ao EKS (Event Knowledge Service, na sigla em inglês). Os três aparecem novamente em 2016. O mesmo acontece com a construção civil que, assim como em 2007, vai beneficiar a construtora Carvalho Hosken”, disse Nelma, lembrando que a construção da Vila Olímpica do Pan é alvo de contestação por “problemas estruturais e mau uso de recursos públicos”.

Elefante branco

Representante da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro no FSU, Alberto de Oliveira foi outro a apontar semelhanças entre o Pan de 2007 e as Olimpíadas de 2016: “Vivemos em relação aos jogos de 2016 o mesmo quadro de falta de informação e de falta de transparência dos gastos públicos. O Pan foi um elefante branco”, afirma, acrescentando que a promessa de progresso para a cidade e de vinda de recursos não se concretizou em 2007: “Não houve mudança nenhuma, por exemplo, em relação a taxa de desemprego do Rio durante as obras do Pan”, disse.

O principal problema do Pan, segundo Oliveira, foi a espantosa evolução dos gastos previstos para o evento: “O governo federal pagou sozinho quase R$ 2 bilhões”, disse. O critério adotado para os gastos também foi contestado: “Contando apenas os gastos do Governo do Estado, foi gasto em infra-estrutura urbana apenas 3,4% do total, enquanto 10% foi gasto, por exemplo, em consultorias e planejamento. O item com o qual mais se gastou foi segurança. Ou seja, um terço do gasto total foi para esconder a insegurança do Rio e viabilizar o Pan”, disse, citando como exemplos a construção do Centro de Segurança (R$ 400 milhões), o pagamento de salários para a Força Nacional de Segurança (R$ 56 milhões) e as operações de inteligência (R$ 37 milhões).

O propalado “legado do Pan”, na opinião de Oliveira, também não se concretizou da forma prometida pelas autoridades e pela organização do evento. Caso emblemático é o da construção do Estádio João Havelange, mais conhecido como Engenhão, que consumiu um terço dos gastos realizados pela Prefeitura do Rio. Três anos após o Pan, o Engenhão - atualmente arrendado pelo Botafogo - convive com a descoberta de falhas estruturais. Um boletim encaminhado recentemente pelo clube à Prefeitura aponta 30 falhas no estádio, que custou R$ 390 milhões (curiosamente, o mesmo custo estimado para todo o Pan em 2001) aos cofres municipais.

Outros elefantes brancos deixados como “legado” pelo Pan de 2007 são a Arena Multiuso, o Parque Aquático Maria Lenk e o Complexo Esportivo de Deodoro: “Todos esses espaços estão ociosos ou sub-utilizados. Foi feito um esforço enorme de economia, que acabou afetando alguns serviços essenciais, para poder financiar um projeto econômico que, mesmo sob o ponto de vista liberal, sem nem entrar no mérito da distribuição de renda, economicamente dá prejuízo. Fazer grandes eventos esportivos não dá lucro”, afirmou Oliveira.

Por Maurício Thuswohl.

(*) Carta Maior

VIVAcidade - Copyright © 2004-2016 - Todos os direitos reservados | Aviso Legal
VIVACIDADE INTERNET E COMUNICAÇÃO LTDA.
Fale com o VIVAcidade: Clique Aqui

 

 

VIVAcidade Sorocaba
Tipo: Comunicação
Região: Além Linha-Trujillo
Local: Rua Ângelo Elias, 689
Ver mais no Guia VC

Leia Mais
Saiba Mais
Fórum de Debates
 
sociais.com
Conheça Votorantim

Galeria de Mapas
Comércio e Serviços
Rodovias de Acesso
Ruas e Avenidas
Regiões da Cidade
Região Central